segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

CULTURA: A Moda Brasileira de Zé do Bêlo em Porto Alegre



Cantor gaúcho radicado na Paraíba apresenta canções da Belle Époque Brasileira lançadas em seu elogiado álbum

A segunda-feira do dia 12 de janeiro receberá uma atração que vem chamando atenção dos mais prestigiados críticos e especialistas musicais do Brasil: o cantor Zé do Belo. Acompanhado de seu brasileiríssimo violão, ele vem a Porto Alegre mostrar as canções de seu novo e surpreendente repertório, parte deste já lançado no A Moda Chegando Eu Vou Ver Como É, seu último e elogiado álbum. O show será realizado no Teatro do Sesc, às 21h.

O disco, sem qualquer exagero, trata-se de um dos maiores esforços feitos, nos últimos tempos, no sentido de reabilitar esquecidas joias do rico cancioneiro brasileiro. E, também, de reavivar alguns dos tantos lendários compositores pátrios “de antigamente”. Dentre os quais, gênios de “fina estirpe” como, por exemplo, Manezinho Araújo, Almirante, Getúlio Marinho, João da Baiana, entre outros bambas.

As vinte cinco canções do repertório que Zé apresentará em seu show em Porto Alegre, originalmente lançadas entre as décadas de 1920 e 1940, receberam arranjos exclusivos da excelência do conceituado músico, compositor e arranjador Marco Pereira (cujos préstimos encontram-se presentes em álbuns de Edu Lobo, Cássia Eller, Gilberto Gil, Gal Costa, Wagner Tiso, Tom Jobim, Milton Nascimento e Roberto Carlos). Pereira também é autor do aclamado livro Ritmos Brasileiros. Atualmente, Zé está radicado em João Pessoa (PB) (há 15 anos ele labuta como cantor, compositor e violonista e tem três discos lançados).

Embora independente, o disco caiu nas graças do musicólogo Ricardo Cravo Albin, o qual preside o instituto que leva seu nome. Albin ouviu o repertório e ficou embevecido. Ao escrever o texto do encarte, em texto assinado por ele, Albin dá seu testemunho sobre o que ouviu:

“Tenho em mãos o terceiro álbum individual do cantor e violinista Zé do Bêlo. Este disco é a flecha certeira que, em cheio, atinge um fragmento memorial bastante original. O que prova que Zé do Bêlo é um competente arremessado de certeiros dardos. Ele mergulhou no baú menos conhecido, nada óbvio, colhendo um buquê de músicas que medeiam os quarenta primeiros anos do século 20. Algumas delas, eu diria quase a totalidade, de conhecimento nulo hoje em dia, até mesmo para pesquisadores menos atentos”.

Esse é o maravilho – e sem igual – show que os porto-alegrenses poderão ver e ouvir. O disco estará à venda no local. Não perca!

Para ver, ouvir e conhecer melhor Zé do Bêlo: www.zedobelo.com.br

Foto:  Braulio Saenger

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente aqui