sexta-feira, 29 de junho de 2012

EVENTO: Cia Teatro ao Quadrado comemora 10 anos de atividades estreando farsa de Molière


A Cia de Teatro ao Quadrado completa 10 anos em 2012, uma década dedicada às montagens teatrais, formação de atores e espetáculos de sucesso no repertório. Para comemorar data tão emblemática, optou por uma grandiosa montagem de Molière, num também grandioso palco: As Artimanhas de Scapino, com estreia dia 29 de junho no Theatro São Pedro. A montagem do Teatro ao Quadrado ganhou direção de Margarida Leoni Peixoto e traz no elenco os atores Marcelo Adams, Claudia Lewis, Gustavo Susin, Luísa Herter, Marcelo Mertins e Vinícius Meneguzzi, além dos atores convidados Carlos Paixão e Paulo Vicente. A cenografia é assinada por Élcio Rossini e o texto foi traduzido por Carlos Drummond de Andrade.

Considerada uma das mais perfeitas comédias de Jean-Baptiste Poquelin, o Molière (1622-1673), o maior dramaturgo francês de todos os tempos, Artimanhas de Scapino foi uma das últimas peças que escreveu, com estreia em 24 de maio de 1671, no Théâtre du Palais-Royal, em Paris. Causou estranheza entre seus contemporâneos o retorno do autor à farsa rasgada, gênero que rendera a Molière a simpatia do futuro rei Luís XIV, com a apresentação de O doutor amoroso, em 1658. A Commedia dell’arte era conhecida por Molière através das excursões feitas pelas trupes italianas à França, onde apresentavam suas peças acrobáticas e burlescas, em que os atores dispunham de um roteiro (o canovaccio) sobre o qual improvisavam falas. As máscaras (ou tipos) que povoavam essas histórias têm parentesco com as antigas farsas atelanas, e figuras como Arlecchino, Brighella, Colombina, Dottore e Pantalone entraram para o imaginário universal desde então.

Molière era um grande admirador da Commedia dell’arte e, em várias ocasiões, homenageou suas personagens nas peças que escreveu, com a criação de figuras inesquecíveis como Sganarelle e Scapin. Mas em nenhuma obra foi tão fiel ao espírito do gênero como em Les fourberies de Scapin, localizando a ação em Nápoles, uma das mais importantes cidades italianas. Partindo de uma estrutura espelhada, em que personagens duplicadas ampliam as possibilidades cômicas e levam o potencial de riso a níveis elevadíssimos, Molière trabalhou sob várias inspirações, entre elas a comédia romana Formião, escrita por Terêncio em 161 a.C., em que as estripulias dos criados auxiliam os amores de seus amos.

Scapino, o protagonista de Artimanhas de Scapino, é um típico zanni, o criado da Commedia dell’arte: esperto, um tanto covarde, e sempre disposto a tirar alguma vantagem, especialmente dos velhos ricos que o atormentam. Nesta trama criada por Molière, Scapino e Silvestre, os dois criados a quem foram confiados os jovens Leandro e Otávio, fazem de tudo para unir seus amos às apaixonadas Zerbineta e Jacinta – sempre contra a vontade dos dois velhos pais, Gerôncio e Argante. A ideia de engrenagem perpassa a montagem da Cia Teatro ao Quadrado, em que a mola mestra é Scapino, o manipulador privilegiado que impulsiona as outras personagens a agirem em um ritmo frenético. As canções que permeiam a montagem gaúcha refletem a musicalidade da movimentada farsa que o genial autor francês nos legou.

Serviço:

As Artimanhas de Scapino

Dias 29 e 30 de junho e 1º de julho

Sexta e sábado, 21h e domingo às 18h

Theatro São Pedro – Praça Marechal Deodoro, s/n – Centro – Porto Alegre


Ingressos:

50 reais (plateia); 40 reais (camarote central e cadeira extra); 30 reais (camarote lateral);  20 reais (galerias)

A venda nas bilheterias do Theatro São Pedro

De segunda a sexta, das 13h às 18h30 (em dias de espetáculo das 13h às 21h)
Sábados, das 15h às 21h e domingos, das 15h às 18h

Um comentário:

  1. Adorei o blog, muito lindo, amei tudo. Parabéns mesmo, vou sempre estar aqui (:

    ontendency.blogspot.com

    ResponderExcluir

Comente aqui